As 7 maiores descobertas científicas da história

“…em resposta ao comentario afetadamente condenscendente de Wilberforce sobre a relação de Huxley com macacos grandes e pequenos, Huxley deu sua célebre réplica:

Se a questão me for apresentada – se prefiro ter como avô um miserável macaco ou um homem altamente dotado pela natureza e possuidor de grandes meios de influência, e que no entanto emprega essas faculdades e essa influência para o mero propósito de introduzir o ridículo em uma discussão cientifica séria – eu afirmaria sem hesitar minha preferência pelo macaco.

Essa réplica marcou um debate histórico, o que simbolizou a divisão entre ciência e teologia, em 30 de junho de 1860, em Oxford numa reunião da Associação Britânica para o Progresso da Ciência. Ficou marcada pra mim também, desde que terminei de ler esse livro escrito por David e Arnold Brody. Lembro da feira do livro, onde fiquei na dúvida entre este e um que não lembro o nome, escrito por Marcelo Gleiser, o mesmo autor de outro que ainda não terminei, chamado A Dança do Universo, que é também excelente.

O que me chamou a atenção foi a primeira frase na contra-capa: “Este livro é a aula de ciências que todos gostariam de ter tido na escola.”. Eu pensei nos meus 8 anos ginasiais no Salette, um dos colégios religiosos mais rígidos de Salvador na época, e decidi acreditar no que li. Comprei e de fato foi uma das mais motivantes leituras que já tive. Está aí uma ótima opção de presente, principalmente para estudantes ainda em fase pré-universidade.

Eu encontrei uma breve síntese do livro, provavelmente escrita por estudantes do IME/USP:

http://www.ime.usp.br/~cesar/projects/lowtech/setemaiores/introducao.htm

%d bloggers like this: