Monthly Archives: June 2009

Os maus sempre vencem, pois há neutros demais no sistema

Este é um pensamento que me tocou há uns 5 anos, ainda de forma desorganizada, caótica, inconsistente talvez. A prática da leitura é o que mais tem amenizado minhas angústias em relação ao mundo, não pelo fato de imaginá-lo melhor, mas por melhor compreendê-lo, mesmo suas entranhas, das mais inóspitas. As cartas na mesa foram bem postas na Nossa Crise Social, seção 11.4 em Chutando o Pau da Barraca, de Marco Paulo Góes, Editora Caravansarai, que transcrevo no final deste post.

O fato é que algumas atitudes do passado já me acusavam de certa subversão, ou de certa falta de carisma pela neutralidade, ou de certa carência da tal flexibilidade moral, retórica bem encaixada pelo espirituoso lobista em Thank You for Smoking (Obrigado por Fumar). Algumas em tom de desabafo, chutando mesmo o pau da barraca, como deu-se em minha demissão publicada na web em 2005. Outras um pouco desafetuosas, por vezes vingativas, como aquela cobertura de uma palestra que não existiu em 2006. Outra, talvez manifestação mais ingênua, que fez parte da minha assinatura de e-mail por bom tempo, trecho do Rondó da Liberdade, do ilustre baiano Carlos Marighella. Eu queria dizer alguma coisa com isso, mas não sabia bem o quê:

“É preciso não ter medo,
é preciso ter a coragem de dizer.”

Pensamento recentemente renovado pelo filme Das Leben der Anderen (A Vida dos Outros):

“se você não adota uma postura você não é humano!”

Encorajado por um texto da colunista Ruth de Aquino, Revista Época, originalmente apreciada num consultório odontológico se bem me lembro. Reprodução parcial obrigatória:

“O filósofo existencialista francês Jean-Paul Sartre costumava dizer que estamos condenados a ser livres. Se acreditarmos nisso, somos livres e por isso somos responsáveis. E, se cumprimos ordens, é porque compactuamos com elas e não somos inocentes. Cumprimos ordens por medo, ambição ou convicção. Se substituímos a convicção pela disciplina cega, pela obediência burra, pela submissão incondicional, o que resta para viver?”

Finalmente consumado por Augusto Boal, quando deixou claro para o mundo que o omisso é necessariamente aliado do opressor, não há outra opção, em texto que não me vem à memória agora.

Enfim, segue a mensagem do dia, como prometido:

“A sociedade tem por hábito classificar a bondade humana em três níveis.

Um Homem é mau: quando capaz de praticar atos que prejudiquem, malogrem, firam ou exterminem seus semelhantes. O Homem mau é inescrupuloso e tende a agir no sentido do benefício próprio, não se preocupando se este benefício venha gerar desconforto ou prejuízo aos outros.

Um Homem é bom: quando vive sua vida dentro do sistema social pertinente à época, sem atentar contra ninguém. O Homem bom é aquele que consegue sobreviver com seu próprio esforço, que trabalha e constrói sua vida e de sua família sem prejudicar semelhantes.

Um Homem iluminado: quando consegue viver sua vida em função da humanidade. O Homem que auxilia e que faz do próprio trabalho uma forma de valorizar e melhorar a vida do menos favorecido.

Os representantes do primeiro grupo são numerosos. Os do segundo, espremida maioria. No terceiro grupo, poucos são encontrados.

Os Homens que a sociedade classifica como bons, pois sustentam sua família e se esforçam para viver sem causar prejuízos aos demais, em segunda análise poderiam ser ditos neutros. Eles nada fazem para melhorar o sistema porque estão demasiadamente preocupados em cumpri-lo, dentro do estereótipo social de Homem justo. Ocupando-se em alimentar seu nicho com o dinheiro advindo do próprio suor, acreditam estar fazendo sua parte para que o mundo seja bom; afinal, se todos vivessem como ele, seria maravilhoso. Talvez, os neutros se esqueçam de que, dentro de “seu trabalho justo”, estão a serviço do injusto; que aceitando e praticando um sistema desequilibrado, colaboram para a massificação da desigualdade e da miséria.

Até que os bons gostariam de ajudar a sociedade, mas o dinheiro nunca sobra e o tempo nunca dá. Vão vivendo dentro da neutralidade, aceitando as regras e lutando por si e pela própria família, em busca de uma vida um pouco mais confortável “sem prejudicar ninguém”.

Os neutros saem do confronto, e restam apenas os maus contra os iluminados. A luta fica demasiadamente injusta: os primeiros são consideravelmente mais numerosos. E o mundo enfrenta o continuísmo. A dita evolução apenas modifica as formas de espoliação dos sem teto, sem comida e sem esperança ao longo do tempo. Um dia foi o Império, outro dia o Clero associado aos Senhores Feudais em exploração a serviçais e camponeses. Depois, a escravidão negra e indígena a serviço do luxo no período colonial. Antes, o extrativismo de riquezas da colônia para a metrópole; agora, a neo-colonização com os países subdesenvolvidos trabalhando superávit primário e déficit secundário para ostentação do superávit secundário e déficit primário dos desenvolvidos.

Ricos mais ricos, pobres mais pobres. Os maus sempre vencem, pois há neutros demais no sistema.”

— Marco Paulo Góes, em Chutando o Pau da Barraca

Advertisements